quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Dor e Confiança

É interessante os mecanismos de dor que nosso corpo humano tem. Em resumo, alguma coisa dá errada no corpo e os sensores de dor [nociceptores - receptores de nocividade] que estão espalhados aos montes pelo nosso corpo, são estimulados e transmitem ao SNC [Sistema Nervoso Central] pelas fibras A-alfa, A-beta e C as informações de dor. Esses nociceptores recebem até 4 tipos de estímulo: elétrico, mecânico, térmico ou químico. [é por isso que quase qualquer coisa que acontece com a gente dói =)]. As primeiras fibras são impressionantes: 100 m/s de velocidade de transmissão [explicado porque uma picadinha de agulha dói instantaneamente]. As últimas são lerdas... no máximo 1 m/s [Essa é aquela dorzinha intermitente... aquela que fica o dia inteiro após uma martelada no dedo =p].
Doideira não?! Educação Física também é conhecimento fisiológico!!!

Bom, hoje eu acordei com a maior dor que eu já senti depois da minha cirurgia na perna. Apenas 2 ferrinhos dos 22 que me furam a tíbia estão doendo mais do que o dia que eu rompi o ligamento. E eu acho que é por um motivo simples: por conta dos ajustes do aparelho [Ilizarov], eles estão rasgando a pele a sua volta. E uma coisa é certa: a pele não tem nociceptores... ela é praticamente um nociceptorzão =p... hehehe
Enquanto as fibras A-alfa faziam seu trabalho, concomitante as fibras A-beta e C, eu comecei a divagar pra ver se fazia meu SNC dar mais importância a meus devaneios do que as sensações transmitidas ao tálamo pelos nociceptores. Em alguns momentos consegui. Em outros não.
Mas o fato interessante que me trouxe a escrever hoje é que os momentos em que conseguia esquecer [literalmente] da dor , foram os que eu estava compenetrado nas belas músicas que tocavam no meu PC. O repertório era Alma Sonora e Marielza Tiscate e mais algumas de cantores outros que não lembro agora.
Como se meu PC soubesse o que era pra ser feito, tocou a música Dor e Confiança. Claaaaaaaaaro que essa música não fala da dor física, mas das dores da alma. E também da confiança que o Amor tem efeito de morfina nessas últimas.
Logo me veio à cabeça que minha dor não era nada perto de algumas dores que existem por aí... dores que não se vão com Cloridrato de Tramadol de 6 em 6 horas. E num passe de mágica, minhas dores foram ficando insignificantes. Não sumiram é claro, continuam aqui. Mas passei a dar importância menor a elas.

Dor é uma sensação. Tal e qual nosso tato, paladar, visão, etc. Ela existe e virá quando for necessário um aviso de alerto do nosso corpo. Mas também, dor é provação. Dor é ferramenta de aprendizado. E da mesma forma que morfina, codeína, e outras "inas" são analgésicos para todo o processo da nocicepção, a Confiança no Amor nos ajuda com as dores da alma, tornado-nos mais corajosos para enfrentá-las, mais fortes para suportá-las e mais capazes para superá-las.

As Dores são parte do nosso dia-a-dia. Estão aí e quando nos enveredamos por caminhos tortos elas aparecem e nos mostra nossos equívocos. E isso não tem como escapar. Já a Confiança... essa sim... Uma questão de escolha...

DOR E CONFIANÇA (Allan Filho, Carlos Alexandre)
int.: Em
Em C
Pés descalços, mãos marcadas.
D Em
Moradores das calçadas, esquecidos como a própria noite.
C
Rosto triste, olhar tão raro.
D Em
Na esperança de um amparo, o silêncio mostra a própria dor.
C D G D/F# Em
Sem perceber finjo não ver e prefiro evitar.
C D G D/F# Em
Preciso ter olhos de ver e mãos de ajudar.
C D
E amar como Ele amou...
Em C
Pés descalços, mãos marcadas.
D Em
Jesus Cristo nas calçadas, esquecido como a própria noite.
C
Rosto triste, olhar tão raro.
D Em
Na esperança de um amparo, o silêncio mostra a própria dor.
C D G D/F# Em
Sem perceber finjo não ver e prefiro evitar.
C D G D/F# Em
Preciso ter olhos de ver e mãos de ajudar.
C D
E amar como Ele amou...
Em C
Pés descalços, mãos marcadas.
Jesus Cristo nas calçadas, esquecido como a própria noite.

2 comentários:

Fê disse...

Essa música me lembra muuuuuuito o trabalho do café...
Mexe bastante cmg essa letra!! Ela é ótima!! =)

O texto de hj complementou a aulinha q tive ontem!!! ehehe ;-)
Interessante essa história de censores... Do tato e dor... Eu nunca tinha pensado nisso.

Zeh, será q não está msm inflamado ou infeccionado??


É isso, tenta se ligar a outras coisas e dar menos importância a dor...

Falta apertar só mais dois dias!! =)

Confinaça!! :)

E um abraço bem apertado querido!!!

Fê Alves disse...

oi Zeh!

mto legal isso que vc escreveu sobre a dor....e' realmente dificil, a dor e' um fator limitante, e' preciso treinar a paciencia, a perseverança....eu te digo, isso passa!! e eu odiava qdo me falavam isso!! haha!! mas passa!

legal seu blog, virei mais fezes!